FOTOGRAFIA DA NATUREZA
 
A HORA MÁGICA
 

   E-Book de grande qualidade que trata dos aspectos teóricos e práticos da Fotografia da Natureza.

   Trata-se da primeira obra escrita por um autor português sobre este tema e o primeiro e-book nacional sobre esta temática.

   O autor, Paulo de Oliveira, tem larga experiência nesta matéria, uma vez que já trabalha profissionalmente como fotógrafo da natureza há mais de 30 anos.

   É assim que o autor define esta obra no capítulo introdutório:

   “Tal como para ler e escrever foi preciso aprender vocabulário e gramática, também para fotografar é necessário dominar algumas ferramentas técnicas e estéticas para se poder exprimir convenientemente.

   O enquadramento correcto permite-lhe mostrar apenas o que quer que seja visto e ocultar tudo o resto. É a diferença entre o palco e os bastidores de um teatro.

   Também precisa saber, através da composição, da luz e da cor, criar ordem e harmonia onde antes apenas existia uma conjugação caótica de objectos. Na fotografia, como na pintura, existem regras bem conhecidas para organizar uma visão harmoniosa do que queremos mostrar aos outros.

   As cores e a luz são fundamentais para transmitir sensações: quente/frio, alegre/triste, grandioso/exíguo, etc.

   E depois ainda podemos usar a objectiva que nos proporciona a perspectiva mais conveniente, a altura do tripé mais adequada ao ponto de vista e a velocidade de obturação que reproduz melhor o movimento, tal como o queremos transmitir. Por exemplo, o salto de um animal “parado” com uma velocidade de obturação rápida pode dar menos a sensação de movimento do que se a sua imagem aparecer ligeiramente tremida, no sentido do movimento, ao usarmos uma velocidade de obturação lenta.

   O diafragma da objectiva coloca na ponta dos nossos dedos o poder de fazer sobressair o motivo fotográfico de um fundo desfocado ou, pelo contrário, mostrá-lo bem integrado na paisagem circundante.

   E a luz do flash? Usamo-la para revelar melhor aquele olhar selvagem que estava oculto pela sombra das arcadas supraciliares ou não?

   Os pincéis e a tinta de um pintor correspondem às objectivas, ao filme, ao obturador, aos flash, aos filtros e a muitos outros acessórios usados pelo fotógrafo, que precisa aprender a trabalhar com cada uma destas ferramentas para criar as suas próprias visões.

   Estes são apenas alguns dos ensinamentos que pretendemos fornecer nesta obra. Mas, além da teoria, o leitor irá encontrar aqui muitos aspectos práticos resultantes de milhares de horas a fotografar a natureza. Poderá assim encurtar caminho sem ter que experimentar todas as decepções que serviram de ensinamento ao autor destas linhas.

   Vai encontrar por todo o livro profusas referências ao equipamento e à forma mais eficiente de o rentabilizar. Assim como aprender a construir pequenos acessórios fotográficos, que não existem no mercado, para vos ajudar a resolver problemas específicos.

   Veja como fotografar a natureza em grutas, debaixo de água, do cimo de um helicóptero ou usando um balão de hélio. E saiba como em estúdio se captam imagens ao microscópio, num aquário ou com iluminação ultravioleta.

   Aprenda como fotografar no deserto, numa floresta tropical ou nas regiões geladas. Saiba por fim como limpar todo o material quando chegar a casa e como arquivar devidamente as suas preciosas fotografias.

   Esta obra destina-se a fotógrafos amadores, biólogos, naturalistas, ambientalistas e todos aqueles que precisem registar fotograficamente tudo o que se relacione com a natureza”.

 

 

Para saber mais 

 

 

 

     Desde o início dos anos setenta que a vida de Paulo de Oliveira tem estado sempre ligada ao mar. Escreveu livros e artigos, filmou dezenas de documentários televisivos e vendeu milhares de fotografias por todo o mundo, divulgando a vida submarina. Trabalhou durante dez anos como mergulhador profissional em Portugal e no estrangeiro. Conheceu e conviveu com grandes personalidades relacionadas com a exploração submarina, tanto nacionais como estrangeiras.

     Mergulhou na maior parte dos oceanos, desde as regiões polares até aos mares tropicais, para filmar e captar fotografias dos seus habitantes.

    Toda esta experiência se encontra aqui um pouco destilada neste livro sob a forma de um pequeno conto, onde também faz uma crítica ácida sobre a sociedade actual absurdamente dominada pelo dinheiro e pelos “media”.

     É a história do Mário que tentando, desesperadamente, fugir à derrocada da sua vida pessoal resolve suicidar-se no mar, encetando um longo percurso sobre a origem dos seus problemas, da sociedade em que vive e do próprio oceano. Definir onde acaba a fantasia e começa a realidade dependerá apenas das convicções e da capacidade de sonhar de cada leitor.

      Num estilo leve, frequentemente divertido, muito próprio de Paulo de Oliveira, somos levados quase sem dar por isso a abordar temas tão diversos como a amizade, o ciúme, a morte e a origem da própria vida.

      É a primeira obra de ficção deste autor, mais habituado a escrever sobre divulgação científica. Talvez por isso mesmo neste conto a fantasia e a realidade se vão digladiando incessantemente ao longo de cinco capítulos até que fica só o mar e os seus habitantes e nós connosco próprios.

       Paralelamente ao texto o livro contém uma colecção de 122 fotografias do autor que nos permite apreciar uma boa panorâmica da vida nos oceanos. Todas as imagens dispõem de legendas detalhadas que podem ser consultadas num capítulo à parte.

 

 

Para saber mais

 

 

 

 

© Edições  AI 2008 - 2012